A estrutura de uma cobertura deve ser objecto de projecto específico, levando naturalmente em linha de conta os materiais utilizados e o tipo de estrutura.

As estruturas frequentemente utilizadas estão baseadas no uso da madeira, betão, alvenaria e algumas soluções mistas com recurso ao uso de perfis metálicos. Na figura apresentam-se alguns exemplos de estruturas com e sem isolamento.

suporte-estrutura-madeira Estrutura em Madeira


suporte-estrutura-alvenaria-betao Estrutura em Alvenaria e Betão


suporte-estrutura-alvenaria-betao-perfis-metalicos Estrutura em Alvernaria, Betão e Perfis Metálicos


Para o desempenho funcional das telhas, é indiferente que a estrutura seja de madeira, alvenaria ou betão. Os elementos que a constituem devem cumprir a função para a qual foram projectados. As telhas serão apoiadas sobre esses elementos e naturalmente a função será cumprida.

Ripado

As ripas são o elemento mais simples da estrutura de uma cobertura, é sobre elas que as telhas são apoiadas. As ripas podem ser de madeira de pinho, pré-fabricadas em betão, vigotas pré-esforçadas, perfis metálicos, em PVC ou argamassa sobre laje.

O espaçamento do ripado é a distância entre a parte superior de uma ripa e a parte superior da ripa seguinte.

Ainda que o fabricante de telha, a título informativo, deva indicar o valor da ripa, em obra deve-se calcular o espaçamento efectivo do lote de telhas recepcionado, conforme é indicado na secção deste manual dedicada à montagem em obra de cada tipo de telha (Lusa, Marselha, Milénio e Canudo).

Execução do ripado

Calculada que está a ripa, a execução do ripado em obra deve considerar os seguintes aspectos:

Dimensão e forma da ripa

No caso da ripa ser pré-fabricada, em madeira, PVC ou outro perfil, normalmente apresenta-se sob a forma de secção rectangular com a dimensão aproximada de 4x2 cm e poderá ser fixa, segundo o material, por parafuso auto-roscante ou prego galvanizado; no caso do perfil ser metálico, a fixação pode ser feita por soldadura com tratamento anti-corrosão; para vigotas pré-esforçadas a fixação é feita por argamassa.

No caso da ripa ser executada in situ (argamassa) ela deve ter a seguinte forma e dimensão:

execucao-ripado-1 Legenda:
1. Base: 10cm
2. Altura: 3cm


As ripas executadas sobre laje ou directamente sobre elemento isolante deve ser interrompida, permitindo desta forma a ventilação da telha na face inferior, evitando a criação de câmaras-de-ar entre cada fiada.

Consulte a secção deste manual dedicada à montagem em obra (Lusa, Marselha, Milénio e Canudo) para mais pormenores sobre os cuidados a ter com a ventilação.

Aplicação da 1ª ripa

Se a cobertura não comporta beirado (tipo beirado à portuguesa) e tem aplicação de caleira, então, deve-se seguir o seguinte esquema:

execucao-ripado-2 Legenda:
1. 1ª ripa
2. 2ª ripa
3. 3ª ripa
4. Distância do ripado


Para as circunstâncias em que se aplique beirado (tipo beirado à portuguesa), deve seguir-se os procedimentos descritos na secção deste manual dedicada à montagem em obra (Lusa, Marselha, Milénio e Canudo) e, em concreto, o que se refere à aplicação dos acessórios.

Aspectos a ter em conta no projecto da cobertura

Uma das situações mais frequentes em obra é a necessidade de cortar peças para executar a cobertura. O corte de peças deve ser evitado quer por razões estéticas quer por razões técnicas (o corte de peças pode reduzir o desempenho da cobertura).

Deste modo, é conveniente que o projecto da cobertura reduza ao mínimo a necessidade de cortes nas peças. Na figura seguinte apresenta-se o exemplo de um telhado em que o projecto de arquitectura já previa dimensionamentos adequados ao uso de peças inteiras.

recorte-cobertura Legenda:
1. 8 peças inteiras
2. 3 peças inteiras